Rinoplastia postado em 01/04/2018, atualizado em 31/10/2019.

img

A rinoplastia é a cirurgia plástica indicada para correção estética do nariz. Existem inúmeras possibilidades: aumentar ou diminuir o nariz, dar projeção à ponta, afinar as asas nasais e até diminuir a giba óssea, que é o “osso” ou “calo” do dorso do nariz.

A prática da rinoplastia é bastante antiga. Estima-se que tenha sido desenvolvida entre o final do século 19 e o início do século 20. Obviamente, nos dias atuais, há um amplo conhecimento da fisiologia nasal, bem como da anatomia do segmento nasal. Com isso, há uma constante evolução das técnicas de plástica nessa região.

Das primeiras rinoplastias, feitas por via endonasal (fechada), às chamadas exorrinoplastias, feitas diretamente na estrutura do órgão (por via aberta), houve um progresso não só em relação às técnicas cirúrgicas empregadas, cada vez mais precisas, como no que diz respeito à recuperação dos pacientes, cada vez mais rápida.

A rinoplastia é a cirurgia plástica indicada para quem está insatisfeito com o formato natural do nariz. Muitas vezes a cirurgia é associada a outros procedimentos nasais, como a correção do septo nasal e a turbinectomia, que é a retirada de parte dos cornetos nasais, a popular carne esponjosa, que costuma aumentar na presença de alergias, como a rinite. A rinoplastia pode ser feita a partir dos 15 anos de idade, idade em que o desenvolvimento facial do paciente já está concluído.

Existem duas técnicas usadas para a rinoplastia: a aberta (exorrinoplastias) ou fechada (endonasal). Na técnica aberta é feita uma pequena incisão na base do nariz, entre as narinas, e na parte interna de cada narina. Na técnica fechada, há incisões apenas dentro das narinas.

A técnica, portanto fica a critério do cirurgião plástico, qual será o melhor tipo adotado para a necessidade do paciente.

Na técnica fechada há algumas vantagens, como o procedimento ser um pouco mais ágil, o resultado final proporcionar ao nariz uma consistência mais natural, a recuperação mais rápida do que na cirurgia aberta e não ficar nenhuma cicatriz aparente.

Apesar da maioria dos pedidos referirem-se à diminuição e remodelamento, há casos em que pode ser feito o aumento nasal, através do enxerto de cartilagem, implante de próteses ou preenchimento no local. Para a diminuição do tamanho do nariz, são retiradas partes da cartilagem e/ou é realizada a raspagem e o lixamento do osso.

A fratura do osso nasal é realizada apenas em casos específicos, avaliada anteriormente durante o exame físico, no intuito de diminuir, o “ossinho” do nariz, e ainda a base alargada. Nesses casos, respectivamente, a fratura é feita para compensar a raspagem óssea, que diminui a massa óssea do local, estimulando a formação óssea do local e para afinar o nariz de pessoas que tem a base muito larga. Quem sofreu alguma fratura prévia, que deixou o nariz torto, também pode precisar da fratura nasal para ajustá-lo.

A anestesia pode ser a geral ou até local com sedação, caso seja usada a geral, será necessária a intubação do paciente e a respiração será auxiliada por aparelhos (apenas durante o procedimento cirúrgico). A cirurgia demora, aproximadamente, duas horas.

O paciente que passa pela rinoplastia é liberado no mesmo dia. Nos casos da cirurgia de rinoplastia associada à cirurgia funcional, o paciente deve ficar internado por um período de 12 a 24 horas.

A rinoplastia é contraindicada para pacientes que apresentem doenças prévias em fase aguda, mulheres em fase de amamentação e ainda pessoas em uso de medicamentos anticoagulantes.

Os riscos cirúrgicos específicos da rinoplastia são sangramento abundante e dificuldade respiratória no pós-operatório, além de resultados insatisfatórios.